|Arquiteta e Urbanista CAU PR A57619-0

|Especialista em Gestão de Obras, Senai 2013

|Docente no curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Assis Gurgacz (FAG)

|Docente no curso de Design de Interiores na Faculdade Dom Bosco

|Membro suplente da Câmara Técnica de Execução e Gestão da Arquitetura Paisagística, do CAU-PR, na regional Cascavel, 2016

|Representante do CAU-Cvel no Painel de Transporte e Mobilidade do Projeto Cascavel 2030

|Vice-Secretária do IAB Oeste Paraná, gestão 2016 - 2016

|Vice-Secretária do IAB Oeste Paraná, gestão 2017 - 2019

|Membro titular da Câmara Técnica de Arquitetura de Interiores, do CAU-PR, na regional Cascavel, 2017

“A gente tem que sonhar, senão as coisas não acontecem.” Oscar Niemeyer

CAMILA PEZZINI

 

A ordem natural das coisas era seguir na área de saúde, profissões da família. Um vestibular frustrado e as férias na casa do tio arquiteto em Porto Alegre – que a levava para lá e para cá – fizeram Camila mudar de ideia para nunca mais pensar em trabalhar de branco. Aliás, a pós-graduação em gestão de obras e a vontade de estar totalmente envolvida no processo nem permitem as vestimentas delicadas. “Eu gosto de ver a coisa acontecer, só o projeto não me basta. Tenho que ver a obra tomar forma”, conta a arquiteta que não faz cara feia para peso nenhum. Ainda assim, Camila Pezzini é a delicadeza em pessoa e em projeto. Para ela, arquitetura é a realização de sonhos – e, ela sabe, isso exige muito esforço. Os sonhos dos outros e seus projetos trazem no conceito o escopo de quem já foi estagiária do primeiro arquiteto cascavelense, Nilson Gomes Vieira, e está na labuta desde o primeiro ano de faculdade. As formações e personalidades complementares das arquitetas completam o projeto (e um sonho) que elas escolheram para tocar com a dedicação de sempre em 2014: o próprio negócio – mais um que Camila vai fazer questão de tocar de perto.

 

*Texto adaptado de matéria publicada na edição de dez/jan da Revista ConstruArch.

|Arquiteta e Urbanista CAU PR 104838-4

|Especialista em Projeto de Interiores e Luminotécnica

JORDÂNIA KONARGEVSKI

 

Ela sempre teve uma quedinha por organização. Por dividir, desde a barriga, um espaço com a irmã gêmea, tem noção espacial como ninguém. Anos depois, veio experiência de anos em uma loja de iluminação e o resultado não poderia ser outro: a carreira de arquiteta – e de sucesso. Ainda que o perfeccionismo faça de Jordânia uma profissional daquelas para quem você entrega as chaves sem medo, são o cuidado e o carinho pela conversa seus diferenciais. Até confessa, conciliaria a carreira com estudos na área de psicologia, afinal, como traduzir uma vontade em volumes e luz sem descobrir o sonho que o cliente carrega? Com uma boa conversa, claro. E histórias e repertório não faltam para dar ritmo à confissão de um sonho. A que conta com maior carinho é a do carrinho de pedreiro da escola pelo qual tinha fixação: objeto que passou a fazer parte da rotina em todas as obras acompanhadas de perto. Na infância de Maripá, descobriu também a corda, o elástico, a tábua e a casinha de bonecas. Descobriu as histórias dos outros e os amiguinhos de rua. Mas foi em Cascavel que descobriu, mais tarde, a profissão: tirar do papel as histórias e sonhos dos outros e transformar isso na alegria dos olhos de quem vê os projetos realizados. “Somos todos meio Aladins”, compara a arquiteta. Talvez tenha vindo dessa infância lúdica e cheia de histórias a inspiração para se transformar um pouquinho em gênio da lâmpada e realizar sonhos por aí – afinal foi em casa que aprendeu a deixar para o lado de fora as coisas ruins do mundo e transformar qualquer história em um final feliz – como muitos projetos por aí.